A Importância do Médico Veterinário Sanitarista para a Sociedade

Conheça uma das áreas da Medicina Veterinária mais relevantes para o controle da saúde e bem-estar humano

A atuação de um médico veterinário é indispensável para assegurar tanto a saúde da população animal, quanto a saúde humana. As funções exercidas por um profissional desta área, é fundamental para o desenvolvimento da humanidade no aspecto científico, nutricional e sanitário. A Vigilância Sanitária é destinada à defesa da saúde pública, promovendo um domínio de produção e comercialização, onde atua contra os efeitos gerados por motivos de alguma distorção sanitária. Existe uma variedade de profissionais sanitaristas, entre eles o médico veterinário, sendo responsável por ações que visam a higienização e distribuição de produtos de origem animal.

Qual a importância de um médico veterinário sanitarista?

O médico veterinário exerce a função de fiscalização, dando ênfase a higienização e sanidade de produtos de origem animal, evitando desta forma, a propagação de doenças com grande poder de difusão, que podem causar danos à saúde pública, é o caso das zoonoses que ainda afeta um grande número de animais e humanos. Os casos mais populares dessas doenças são: a tuberculose bovina causada pela Mycobacterium bovis (é uma bactéria responsável pela transmissão da tuberculose entre bovinos e em menor grau a outros mamíferos, inclusive ao homem), e a triquinose e yersiniose, que afeta diretamente suínos, e podem ser transmitidas ao homem, em casos de não inspeção da carne antes do consumo.

A segurança sanitária dos alimentos de origem animal é uma questão relevante, constituindo uma exigência da sociedade, sendo um tema de interesse direto do médico veterinário que, além do encargo legal, deve alargar as suas competências para participar com efetividade desta importante área de atuação profissional. A fiscalização sanitária é preocupação de todos, onde casos de doenças provocadas por ingestão de produtos de origem animal contaminados podem se tornar pandemias (Segundo dados e pesquisas da Organização Mundial da Saúde – OMS), além de trazerem dúvidas e preocupação ao mercado e principalmente ao consumidor.

Quais atividades podem ser exercidas por um médico veterinário sanitarista?

  • Promover saúde pública e defesa do consumidor.
  • Atuar na área comercial agropecuária.
  • Assessorar na elaboração de legislação pertinente.
  • Contribuir para o bem-estar animal.
  • Atuar na preservação ambiental.
  • Exercer defesa sanitária animal.
  • Demonstrar competências pessoais.
  • Elaborar laudos, pareceres e atestados.
  • Atuar na produção industrial, tecnologia e controle de qualidade de produtos.
  • Fomentar produção animal, atuar na área de biotecnologia, desenvolver atividades de pesquisa e extensão.

A saúde pública na medicina veterinária

A importância da medicina veterinária para a saúde humana coincidiu com o crescente reconhecimento entre os núcleos de estudiosos de médicos e veterinários europeus que desenvolviam pesquisas médicas comparadas em parceria, nas áreas de anatomia e fisiologia. Esses estudos ocorreram particularmente nas escolas de veterinária francesas na primeira metade do século XIX e o prosseguimento dessas pesquisas forneceu os princípios para a elaboração da “revolução microbiológica”. O crescimento da pesquisa médica comparada no final do século XIX propiciou uma forte ligação entre a Medicina Veterinária e a Medicina Humana.

São inúmeras as contribuições da Medicina Veterinária para a saúde humana. A primeira e mais básica função do sanitarista veterinário está fundamentada por sua conexão com os animais inferiores e suas doenças, relacionado à saúde e bem-estar. Essas atividades refletem as qualificações específicas da profissão e normalmente são a base da formação do veterinário nas unidades de saúde pública.

Principais atribuições do Médico Veterinário na Saúde Pública:

  • Diagnóstico, controle e vigilância em zoonoses; sendo esta a de maior destaque.
  • Estudos comparativos da epidemiologia de enfermidades não infecciosas dos animais em relação aos seres humanos;
  • Intercâmbio de informações entre a pesquisa médica veterinária e a pesquisa médica humana;
  • Estudo sobre substâncias tóxicas e venenos provenientes dos animais considerados peçonhentos;
  • Inspeção de alimentos e vigilância sanitária; atuando em algumas áreas que são exclusivas de sua profissão.
  • Estudo de problemas de saúde relacionados às indústrias de produção de alimentos de origem animal, incluindo o destino adequado de dejetos;
  • Supervisão da criação de animais de experimentação;
  • Estabelecimento de interligação e cooperação entre as organizações de Saúde Pública e Veterinária com outras unidades relacionadas aos animais;
  • Consulta técnica sobre assuntos de Saúde Humana relativos aos animais;

Os desafios da medicina veterinária sanitarista

A demanda cada vez maior de alimentos de origem animal ocasiona o crescimento das indústrias zootécnicas, principalmente pelo aumento substancial dos rebanhos, o que constitui fator decisivo para aumentar os riscos de exposição às doenças e bactérias. A urbanização dos centros industriais mais desenvolvidos e o hábito de criar no domicílio “animais de estimação” como cães, gatos, aves ornamentais e hamsters, contribuem para aumentar ainda mais este tipo de risco. Por outro lado, os meios de transporte rodoviário, ferroviário, marítimo e aeroviário favorecem a disseminação de doenças pela condução acidental de vertebrados (reservatórios) ou invertebrados (vetores) de uma região para outra. Da mesma forma, a comercialização de animais (importação ou exportação) ou o deslocamento para feiras ou exposições, aumenta a probabilidade de transmissão destas infecções.

Na América Latina, um bilhão de pessoas convivem com 150 milhões de cães, 500 milhões de bovinos e 150 espécies de morcegos, destacando a tarefa do médico veterinário na interface das relações dessas espécies. Existe a necessidade: de uma capacitação interdisciplinar para os profissionais de saúde pública; da primordialidade do regulamento sanitário internacional; da intensificação da vigilância em relação às zoonoses emergentes e reemergentes; e da eliminação das doenças negligenciadas

As oportunidades para a saúde pública veterinária são ilimitadas, mas os veterinários tiveram que inicialmente, competir para demonstrar que eles poderiam fazer o trabalho. O desafio do futuro não é mais conhecimentos técnicos, e sim, ser capaz de aplicar a pletora de resultados de pesquisas disponíveis e conhecimento, contribuindo para o desenvolvimento nacional.

A carreira profissional em Medicina Veterinária

O Brasil é o país com mais médicos veterinários no mundo. De acordo com dados divulgados pelo Conselho Federal da Medicina Veterinária (CFMV) em 2013, são mais de 84 mil profissionais em atividade. Apesar da grande quantidade de veterinários formados, o mercado de atuação é amplo e continua em expansão.

Se você deseja atuar na profissão, é necessário concluir a graduação, que dura em média 5 anos. No UniBrasil, você tem a preparação necessária para o mercado de trabalho, com aulas práticas, projetos de extensão e oportunidades de experiência em estágios.

Além de possuir uma grade curricular moderna e inovadora, o curso conta com um corpo docente de alta qualidade. O UniBrasil forma profissionais competentes para enfrentar os novos desafios do mercado.

Deseja saber mais informações sobre o curso e os meios de ingresso? Acesse o link

Postado em BLOG, BLOG HOME DESTAQUE, BLOG PÁGINA DESTAQUE, ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE, GRADUAÇÃO, MEDICINA VETERINÁRIA e tagged , , , , , , .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *